Imprimir Artigo

Imprimir

Inadimplência: Expectativas para 2012

Por: Érica Missão
Em: Estratégia e Modelagem
Fonte: Redação

inadimplencia-2012-cobranca

No ano passado, o número de casos inadimplentes foi superior ao de 2010 em quase todos os setores. Porém, a perspectiva para 2012 é relativamente otimista diante dos aspectos positivos que estão se configurando no cenário econômico nacional, como a tendência de queda dos juros e impostos (porém ainda superior às demais economias); a inflação sob controle; o aumento de 14% do salário mínimo e o registro de índices menores de desemprego -em novembro de 2011 registrou-se o menor índice dos últimos nove anos-, conforme o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Além disso, o Brasil é um dos centros de atração de investimentos do mundo, o que corrobora com a expectativa positiva para este ano. Os economistas da Serasa Experian, substanciando os aspectos mencionados acima, também apontam queda da inadimplência em 2012. Entretanto, apesar do cenário otimista, é prudente ficar atento ao menor sinal de desequilíbrio econômico.

No mercado varejista, a expectativa concentra-se no maior poder de compra das classes C e D, devido à sua ascensão aquisitiva e também ao aumento do salário mínimo. Entretanto, é prudente ter cautela, pois o perfil deste público é fazer uso do crédito a longo prazo, e  o aumento de crédito está estatisticamente correlacionado com o aumento da inadimplência.

Em 2011, o indicador de casos inadimplentes de financiamento de veículos foi dobrado em relação ao observado no final de 2010. Como consequência, o segmento bancário apresenta-se bastante cauteloso ao realizar concessões de crédito, o que produzirá uma desaceleração do descumprimento contratual deste setor em 2012. A desaceleração do consignado, da maior expansão do cheque especial e do cartão de crédito, contribuiram para o aumento das taxas de spreads bancários (diferença entre os juros cobrados pelos bancos nos empréstimos e as taxas pagas pelos bancos aos investidores) em 2011. Caso este cenário se mantenha em 2012, o indicador de adimplência sofrerá impacto no setor bancário.

No setor de prestação de serviços, o índice de inadimplência durante o ano de 2011 apresentou maior taxa em relação às praticadas em 2010, embora em patamares inferiores. Para 2012, o investimento em tecnologia e modernização tende a crescer, auxiliando a redução da inadimplência (investimento em detecção de fraude, gerenciamento de informações (MIS), etc), além de estimular outros benefícios como os aumentos de receita e portfólio. Eventos mundiais, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, os quais ocorrerão, respectivamente, em 2014 e 2016, também contribuirão ao incentivo de investimentos neste setor.

A crise externa pode oferecer riscos às metas do setor de cobrança, apesar da aposta dos economistas americanos em uma ligeira melhora na economia dos EUA para 2012; e da injeção do BCE (Banco Central Europeu), em 21 de dezembro de 2011, de quase meio trilhão de euros nos bancos europeus, com vencimento em 2014 e com juros de 1% ao ano. Contudo, o fortalecimento da economia brasileira quando aliado à estratégias de cobrança eficientes, poderá apontar à condições favoráveis para a redução dos  índices de inadimplência para este ano.

Em geral, o setor de cobrança é prejudicado no primeiro trimestre do ano, devido ao fato de ser um período de pós-festas (Natal e Ano-Novo), das férias e do carnaval. Por esta razão, a cobrança deve atuar de forma enérgica nesta época, focando nas primeiras faixas de atraso até 30 dias, para reter ao máximo a rolagem destas dívidas. A utilização de modelos estatísticos (Collection Score e Self-Cure – Pagamento espontâneo), combinados com estratégias bem definidas para cada nicho específico, sempre apresenta bons resultados nesta primeira etapa do ano. À medida que a dívida apresenta faixas de atraso mais elevadas -geralmente acima de 90 dias-, o desconto progressivo é uma ótima opção para incentivar os consumidores a saldar suas dívidas.

ciclo-credito-cobranca-inadimplencia-2012

No segmento varejista, a estratégia é atrair o consumidor à loja, utilizando promoções de desconto nas dívidas. É uma excelente oportunidade para estimular novas compras, mas este estímulo deve ser feito se a dívida for completamente quitada.
Uma outra opção, considerando os demais setores, é a compra de variáveis externas (bureau de mercado), tais como: informações de clientes com apenas uma dívida no mercado; pagamento de dívidas nos últimos três meses; pagamento de aposentados; renda presumida etc. Quando bem utilizadas, estas variáveis apresentam resultados positivos na redução da inadimplência.

Contudo, é muito prudente avaliar todo o ciclo de crédito, uma vez que o índice de inadimplência está seguradamente correlacionado com a política de concessão e com o gerenciamento do risco da carteira. Se a empresa investe em uma política de crédito bem ajustada e precavida, e administra mensalmente o risco do seu portfólio, provavelmente o índice de casos de inadimplência apresentará menores patamares.

Érica Missão

Fontes: Serasa Experian e Brasil 2012/13: Desaceleração da atividade e inflação acima da meta em cenário global incerto” – Credit Suisse

 

CADASTRE-SE  no Blog Televendas e Cobrança e receba semanalmente por e-mail nosso Newsletter com os principais artigos, vagas,  notícias do mercado, além de concorrer a prêmios mensais. Neste mês de inauguração nosso prêmio será um Ipad 2!

Este artigo está disponível no endereço:

https://www.televendasecobranca.com.br/estrategia-e-modelagem/inadimplencia-expectativas-para-2012-cobranca/
Cadastre-se agora e receba em seu e-mail:
  • Notícias e novidades do segmento de contact center;
  • Vagas em aberto das principais empresas de Atendimento ao Cliente;
  • Artigos exclusivos sobre Televendas & Cobrança assinados pelos principais executivos do mercado;
  • Promoções, Sorteios e muito mais.
Preencha o campo abaixo e fique por dentro das novidades: